sexta-feira, 19 de outubro de 2012

O chá de cozinha

"Uma postagem pouco provável no blog de alguém que acredita fervorosamente no Living Apart Together e que está mais para a turma do professor Higgins."

Um chá de cozinha pode ser um objeto de estudo dos mais interessantes. É a mais vívida demostração de como duas pessoas podem ser felizes (e muito!) com a construção de uma família tradicional e que o amor conjugal existe para aqueles que têm sorte (parte importante) e uma paixão ardente que ainda não morreu no frio congelante da Sibéria.

A estrutura desse evento é basicamente assim: um clube, muito álcool, muita comida, go-go boys strippers ou um casal de comediantes gays, muitos presentes (a bola da vez é a tal da petisqueira), amigas ávidas por aquelas brincadeiras picantes, amigas doidas pela comida e as amigas das amigas da noiva.

E nesse momento eu poderia dizer - ah, vá! Quanta bobageira! Para que tudo isso? É apenas um casamento, um troço falido. Porém essa é a minha visão. Se meu conceito de felicidade não passa perto de festanças de casamento e do convívio na mesma casa, o que impede os outros de conseguirem isso dessa forma? Da mesma maneira que quero que respeitem minha opinião quanto as formas de amor, de como (não) viver juntos e dos novos conceitos de família, eu devo respeitar a alegria de uma noiva tradicional, feliz com seu casamento, com sua nova vida, seus futuros filhos, seu lar e com as muitas panelas que ganhou.

Um chá de cozinha é uma boa oportunidade para refletir sobre as dificuldades das mulheres em manter a sanidade:

1. Se casa, poderá ser: a víbora (visão da sogra); a ingrata (visão da mãe e das amigas solteiras); a desleixada (visão da sogra, do marido e das inimigas); a Amélia (visão do marido e dos amigos do marido); a boboca (visão das amigas solteiras, do marido e dos amigos do marido), a pobrezinha (visão das amigas casadas), a sortuda (visão das amigas solteiras); a boa mulher (visão da sociedade).

2. Se não casa ou/e pensa diferente sobre casamento e família, poderá ser: a fracassada (visão dos homens e das inimigas); a mal amada (visão dos homens e das inimigas); a pobrezinha (visão das amigas solteiras); a sortuda (visão das amigas casadas); a encalhada (visão da família); a lésbica (visão dos homens chutados, família e amigos); a revolucionária (visão daquele tio maluco); a independente (visão da empresa de trabalho) e a esquisita (visão da sociedade).

Ou seja, não há liberdade de escolha pura e simples para as mulheres. Um desses conceitos sempre vai ser supervalorizado pela sociedade de tempos em tempos.

Casamento é bom para quem quer e acredita nele. E essa noiva, imersa no que ela mesmo disse: "tudo está dando certo para mim", é a demonstração disso. Da mesma forma, os que não querem ou não pensam em cerimônias podem ser muito felizes.

E lógico, no estágio em que estou hoje, é difícil acreditar nessa felicidade de propaganda de margarina. Tudo bem, a vida segue. E eu comi bem para caramba nesse convescote moderno.

E, no final das contas, liberdade para casar ou não casar é título de álbum de Renato Russo - Equilíbrio Distante.

***
Se você gostou dessa postagem, poderá apreciar também:

Liberdade? Você tem escolha?
O Living Apart Together - uma nova maneira de convivência


8 comentários:

  1. Frankinha minha amiga! A vida da gente é a projeção do que a gente pensa e acredita!

    Pense nisso!

    ResponderExcluir
  2. Sugestão do Sobrinho André.

    Gostei e para não deixar sem pitaco (após refletir)digo:

    Se eu fosse uma mulher seria uma velha revolucionária com certeza.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ticy,

    Tudo bem? Um texto do cotidiano, mas com excelente reflexões. Não gosto de chá de cozinha pelo aspecto de consumo que se caracteriza, mas acredito no casamento e nas relações.

    Força aí.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Ola !
    Muito bem escrito e aberto a reflexões ,

    Infelizmente a libertinagem e inversão de valores também já contaminou a instituiçao mais antiga e divina de todos os tempos , O casamento.

    Embora isso aconteça com muita frequencia , imagino que é possivel termos uma merecida comemoraçao saudável e equilibrada .
    que prediz o sucesso do Casamento.

    Abraçao !

    Crisógono Junior

    ResponderExcluir
  5. É importante saber aceitar a opinião e o estilo de vida dos outros. A liberdade é o poder não fazer determinada coisa, mas é também poder fazê-la.
    Atualmente, o n.º de relacionamentos sérios e duradouros que não envolvem casamento está a aumentar imenso e as pessoas aceitam sem problema. Afinal, será mesmo necessária uma "festança" para tornar o que quer que um casal tenha mais real? Claro que não.
    Também acho que a quantidade de mulheres sozinhas e independentes também é maior do que há alguns anos atrás, no entanto, acredito que essas conceções pessimistas e negativas que a família, os amigos e a sociedade costumava ter em relação a isso também têm vindo a diminuir (excepto talvez o de lésbica, isso é uma questão que se coloca cada vez mais -mas com menos preconceito- atualmente).
    Este post está muito bom, gostei.


    (Você sabia que está em 2º lugar no Top Comentadores do Snail Trail? =D Obrigada pelos seus comentários!)
    PHS.

    ResponderExcluir
  6. Oi TS Frank
    Estou aqui novamente porque acho que vc é muito inteligente. Concordo em parte com seu texto, apesar de que foi muito bem escrito. A parte de como as pessoas olham as mulheres é muito engraçada kkkkk. Quanto ao casamento em si, não posso reclamar, sou feliz ao lado de uma pessoa, meu primeiro namorado há 17 anos, o que é mais complicado sendo eu uma bipolar, e tenho dois lindos e maravilhosos filhos! Mas respeito sua opinião.
    Bjos. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  7. Parabens pela estrutura e conteudo de seu blog, Forte abraço Renato Artesanato em MDF

    ResponderExcluir

Querido (a) leitor (a), obrigada por ler e comentar no Café Quente & Sherlock! Espero que tenha sido uma leitura prazerosa. Até a próxima postagem!