quinta-feira, 30 de agosto de 2012

I'm sick - sad days - no hope!

E quando você tem medo?

Olha para todos os lados e não vê mais esperança?

Talvez a minha antiga vida não volte. Sim, ela é triste há 26 anos, porém, mesmo assim, podia caminhar, respirar e fazer muitas coisas. Há mais de um mês não sei mais o que é isso. Talvez eu nunca ache cura para o que venho sentindo.

A doença física agrava-se com a falta de compreensão e a sensação de peso. É momento de ser forte, pois precisam de mim. Só que eu desabei, fui fraca.

Todos os dias morro um pouco. E não tenho mais motivos para continuar, pelo menos agora.

Preciso de um amparo, uma ajuda, um abraço, alguém que diga - "tudo vai terminar bem, seja o que for, estamos aqui e vamos descobrir o que você tem..."

[frases mágicas!]

Só que isso é um sonho infantil. A vida... Bem, a vida é real.

É meu inferno. 

[nunca senti tanto medo na minha vida... E não posso expressá-lo, não posso dizer nada... Se eu pudesse apenas chorar, dizer o quanto estou apreensiva. Não sei se preciso mais de um hospital, médicos, respostas ou de carinho e conforto. Quem sabe se eu tivesse tudo isso, seria salva...]

O pior de estar doente, apesar de visitar um pneumatologista e ele me falar que minha respiração está normal, é não ter evolução, não sair do lugar e ser cobrada por isso, "pois estou adoecendo a família, ou o que restou dela". 

Para os que gosto e amo, desejo felicidade, acolhimento, segurança, amor, sorrisos, domingos ensolarados, bolos lindos de chocolate, música, bons shows, lareiras, paz, esperança, uma família inteira, alegria, saúde e compreensão. 

[muitas dessas eu sei que não vou ter e outras nunca mais terei]

Deixo com vocês uma música que expressa o que mais desejo nessa vida - REFÚGIO.

John Legend - Refuge (When It's Cold Outside)
[Refúgio (Quando está frio lá fora)]

#Eu oro por dias melhores
Eu oro para poder ver o sol
Porque a vida é tão sobrecarregada
Quando todo dia é um chuvoso dia

Você sabe e eu sei
Amigos vêm e amigos vão
Enchentes e ventanias
Mas uma coisa eu tenho certeza

Quando está frio lá fora
Não há com que se preocupar porque
Estou tão aquecido aqui dentro
Você me dá paz
Quando há tempestade lá fora
Estamos apaixonados, eu sei
Estará tudo bem
T
udo bem, está tudo bem

Agora a paz é tão difícil de achar
Estamos aterrorizados e vitimizados
Mas é aí que fecho os meus olhos
E penso em você para aliviar a cabeça
Você me leva para outro lugar
Aonde não tem guerra (Chega de guerra!)
Só amor e graça#

10 comentários:

  1. Ticyana. Vou lhe dizer algo, eu também sofro com este mal estar, talvez você não o entenda bem, mas eu felizmente já consigo superar, ausência de sentimentos por alguns instantes e total compreensão da insignificância que " é o viver". O jeito, ao meu ver, é trocar a rotina mental sempre que possível, não necessariamente deixar de fazer algo, mas sim dar um tempo em coisas atuais e começar novas. Às vezes é bom pegar algo lá do passado que lhe fez bom, afinal é uma parte da história. Todos os dias tenho que lutar para achar graça nas coisas mais fúteis da vida e também tentar me divertir com as mais legais. Tente inovar-se ao falar, ao escutar músicas, enfim. E não projete mais o teu futuro além de algumas semanas. Espero que consiga lidar bem com isso. Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querido Bruno! Pois, eu quero mesmo entender essa falta de sentimento que assola muitas vezes. Parece que a vida por si só não tem graça... Algo misterioso por demais. Bem, mas realmente estou procurando distrair minha mente justamente com o dia-a-dia, pois estava fugindo até disso. É, realmente, uma luta árdua.

      Excluir
  2. Doce Frank, estimo suas melhoras tanto físicas como emocionais. Também já vivenciei esta fase em que simplesmente estagnamos e não conseguimos ver o sol nascer de novo. Mas ele está lá, ele nasce todos os dias e nos perguntamos por quanto tempo mais vamos aguentar esse purgatório em vida.
    Algo não está bem e precisa chegar ao seu fim, deixe ir as cobranças sociais e familiares, deixe morrer ambições antigas que nada lhe trouxeram, deixe um lado seu, ou quem sabe dois ou três lados morrerem também.
    Haja como a Fênix que deixa todas as suas penas caírem, fica feia e careca como um filhote de ave, queima e vira cinzas. Depois ela renasce, clichê eu sei, mas essa é justamente a fase de nossa renovação. Nada mais mostra ao homem o que lhe acontece do que a vida da Fênix.
    Sim ela é um mito, um símbolo. Mas lembre-se que eles são e foram formados pelo homem e para o homem.
    Se deixe ir, se deixe renascer para si mesma. Depois então pode chacoalhar e mostrar suas novas e lustrosas penas para o mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Cacau! Fênix... É o medo da fase da dor, de fechar-se para a volta, de despir-se e jogar tudo fora. Mas como tu disseste - ela foi feita pelo homem para o homem. Realmente, necessário deixar as cobranças, as lembranças ruins, renascer... Talvez, o meu baú de ressentimentos esteja por demais cheio.

      Excluir
  3. Querida Frank, eu devo confessar que este relato mexeu bastante comigo, honestamente... A transparência das suas palavras, em como você não se importou em tentar parecer original, apenas honesta. A tristeza e insegurança que você sente, tão comum para tantos de nós, mas vivenciados de maneira única, por cada um...
    Sabe, eu apenas gostaria de lhe oferecer o que infelizmente, é a única coisa que posso, meu sincero e grande desejo de melhoras, de diagnósticos precisos, de tratamentos eficazes, e que tudo termine bem, com a volta dos seus dias alegres, do sol aquecendo sua pele e lhe enchendo de vida, de bons sentimentos, de paz, de esperança, de motivos para acreditar que vivemos para sermos felizes, e que não está errado que passemos por sofrimentos, por angústias, ainda que estes durem vinte e poucos anos...
    É bem clichê, verdade, mas funciona quando você não deixa de acreditar, everything is going to be alright, dear.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querido Fernando! Sabe, o CQ&Sherlock nasceu justamente para isso - para uma válvula de escape. Uma vez alguém me disse que eu me mostrava muito no blog. Porém eu penso que é justamente para achar pessoas que passam pelo mesmo, para não sentir que sou alguém estranho em meio a uma multidão. E sei que há muitas pessoas assim e todos os dias tenho a esperança que alguma irá ler e se identificar - como vem acontecendo.E uma das coisas que ainda me importo é o blog. É muito importante saber de seus desejos de melhora e isso é grandioso! E como diz a música do Bob Marley e essa que postei do John Legend - "tudo vai ficar bem!"

      Excluir
  4. Ticy-Miga!
    Sempre tive uma máxima comigo: mesmo que tudo dê errado, dá certo. Creio que as coisas não são ao acaso, e assim sendo, é como um roteiro, uma coisa puxa a outra, para que nos demos conta de alguns fatos e alteremos, porque afinal, somos protagonistas da nossa vida.
    Tenho tentado, nos últimos tempos, ver o lado bom das coisas, e olha, me acredite, existe o lado bom em tudo. É uma questão de mentalizarmos, além disso, tudo é sempre mais fácil do que parece. O ser humano tem a mania de racionalizar tudo, a ponto de dificultar, mas procura o lado mais simples, é ele a resposta.
    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  5. Olá, T. S..
    Nunca passei por períodos de depressão antes em minha vida, então não posso aconselhá-la devidamente.
    O que posso dizer é que tudo depende da forma como enxergamos o mundo e procurarmos nos integrar a ele, buscando sempre superar novos desafios a cada dia e jamais desistindo de aprender a cada dia que passa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. E quem sabe mesmo que você tivesse hospital, médicos, respostas, carinho e conforto, tudo isso, você ainda assim não seria salva. Não falo isso para te desanimar, pelo contrário: a solução não está nos outros, está em você! Pelo menos é o que eu penso. E esse pensamento, embora dito com a intenção de lhe confortar, de nada adianta se você não o aceitar dessa forma. Captou a mensagem? hehe.

    Gostei muito do seu blog! :)

    ResponderExcluir

Querido (a) leitor (a), obrigada por ler e comentar no Café Quente & Sherlock! Espero que tenha sido uma leitura prazerosa. Até a próxima postagem!