terça-feira, 6 de junho de 2017

Tartarus

Frias e brilhantes reinam lápides de mármore.

E jazem silenciosamente todos os restos de corações pueris. 

Todos eles brutalmente assassinados.

É um lugar amaldiçoado, cheio de pesar. 

Mas sutilmente realista.

É a tragédia do saber-se desnudado e humilhado.

Um alvorecer de vergonha em cada nota de despertar.

Pois aqueles que amaram muito

[por dias infinitos de imaginação] 

vivem seu próprio inferno. 

Enterrados estão seus sentimentos. 

E seus corpos são preenchidos por um vazio catalítico.

Em meu epitáfio, apenas meu nome. 

Em minha cova, pérolas e ossos metálicos.

Não sou mais quem deveria ser.

E minha alma apenas vagueia...

Estão todos avisados - não teçam ilusões!

Apaguem as luzes e rasguem as poesias.

Bati a pesada porta...

E tranquei-me para sempre.

T.S. Frank

2 comentários:

  1. Os que amaram muito sempre são punidos de alguma forma...mas há também quem encontre a redenção.

    ResponderExcluir
  2. Isso é verdade... Pois há nessa vida esse círculo misterioso de fim de carma ou mesmo a própria redenção. O único problema é que não sabe-se se estas virão na existência atual ou precisam de mais algumas outras passagens para concretizarem-se. Obrigada pela mensagem, querido Jaime Guimarães!

    ResponderExcluir

Querido (a) leitor (a), obrigada por ler e comentar no Café Quente & Sherlock! Espero que tenha sido uma leitura prazerosa. Até a próxima postagem!