terça-feira, 20 de outubro de 2015

Grandes Esperanças (High Hopes)

Cena do clipe High Hopes - Pink Floyd - 1994
... E lá para as montanhas, um dia, levarei minha alma, meu corpo e coração...

O desalento não poderia ser mais expressivo. Saudades de tantos acontecimentos nunca vividos, das músicas nunca tocadas, dos sorrisos que nunca floresceram.

Ninguém mais recita poemas e estes tornaram-se sinônimo de fraqueza. Os amores não são mais alimentados com palavras ricas, tecidas com fios de ouro. Padecem agora com onomatopeias ininteligíveis, beirando os rangidos de cães afoitos e raivosos.

A minha alma escuta em apenas uma frequência. E brilha em um espectro invisível aos outros.

Minhas histórias e peripécias pertencem a um mundo interior. E, externamente, ouço sons moribundos e entristecidos. É o estalar de ossos no frio, o frio da ignorância, do desamor, do instantâneo.

Cena do clipe High Hopes - Pink Floyd - 1994
Falta aquela animaçãozinha pelas conversas de boteco para discutir o brega bem escrito e cantado por Nelson Gonçalves. Mas que personagens entrariam nesse enredo? Pois bem, eis aqui as lacunas e os rabiscos da mente.

A vida de escritor não está nada fácil, nem dos renomados, nem dos independentes, muito menos daqueles de fim de semana.

"Não nos enxergam mais!"

Quase ninguém lê com o sabor da paixão na língua, com o sentimento do desbravamento,
da caça, do encontro e do deleite. Muitos são só números, quantidades, isto e aquilo...

Transportei-me para vales verdes encantadores. Voei para Grandes Esperanças, não as de Charles Dickens e sim as de Pink Floyd.

Sobrevivo das histórias que crio e das que escrevo (mesmo sem público), e das várias vidas que vivi e não me lembro.
Cena do clipe High Hopes - Pink Floyd - 1994

O mundo submergiu na lama da simplicidade deplorável.

E não há mais nada que possa ser feito neste século.

Um dia futuro, alguém, ou algo, olhará o céu e perguntará sobre a essência da humanidade. E sua resposta virá através de um livro manuscrito dourado e iluminado, das músicas que foram tocadas em notas de Bach, dos sorrisos que floresceram e dos amores alimentados pelas poesias - todos de uma época que, neste momento, é imemorial. 



***


High Hopes - Pink Floyd - Division Bell - 1994



High Hopes - Pink Floyd - P.U.L.S.E. - 1995 (com tradução em português)



Sobre a canção do Pink Floyd - High Hopes

Uma das músicas mais significativas na minha vida. Sua letra fala sobre um passado cheio de imagens, sons e pessoas. É a metáfora da saída para o desbravamento de um novo horizonte, incerto, mas cheio de esperança. É um saudosismo marcado em cada estrofe. 

A canção foi composta por David Gilmour (um dos mais geniais, para mim, guitarristas e uma das mais bonitas vozes do rock) e Polly Samson, sua esposa, para o álbum do Pink Floyd, Division Bell (sem Roger Waters) de 1994. É o penúltimo na discografia de estúdio do Pink Floyd.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Querido (a) leitor (a), obrigada por ler e comentar no Café Quente & Sherlock! Espero que tenha sido uma leitura prazerosa. Até a próxima postagem!