sábado, 29 de junho de 2013

Dark Side Of Moon - Tempo - Einstein, A Relatividade, A Velhice e Meus 27 anos...

Quando Einstein teve a brilhante ideia de pensar em um tempo relativizado, nossos bisavós iam à encontros românticos à luz da lua. E veio ao mundo não só um emaranhado de equações físicas, mas a concepção de que, no vale das palavras que esperam ser escritas, tempo é uma questão de referencial.

E certo tempo depois, de acordo com os relógios newtonianos, um rapaz de 28 [ou 29] anos resolveu expressar, na forma de música, sua preocupação de não mais estar preparando-se para qualquer coisa na vida, porém de estar bem no meio dela. Assim nasceu Time do jovem [depende do ponto de vista e da cabeça pensante] Roger Waters.

Agora, cá estou eu a tirar Dark Side Of Moon do armário e deixar que a notas da 4ª faixa ecoem - estou refletindo sobre os jovens velhos de 27 anos.

27 é uma faca de dois gumes - de um lado, os jovens imersos nos dez e pouco e 20 e pouco [bem poucos], alguns familiares e amigos da mesma idade insistindo que os trinta estão logo ali: a juventude acabou! É hora de esquecer os sonhos juvenis e procurar os caminhos dourados da estabilidade [leia-se Money, de uma história em breve]. Do outro, outros jovens imersos nos mesmos dez e pouco ou vinte e pouco [bem poucos], outros familiares e amigos dizendo o inverso. E nessa constante mudança de referencial, minha cabeça vira um grande corpo maciço e curva o espaço-tempo ao redor: as luzes de pensamentos benfeitores são desviados e não estou apta a saber sua exata localização.

Instaura-se a crise da velhice relativa. Ou seja, sempre há uma conjunção condicional espinhosa nas questões mais humanas possíveis: os jovens amores [se existir maturidade], o curso de Física [contanto que termine cedo], as festas [desde que sua faixa etária esteja inserida no público alvo] e mais atos e fatos cotidianos.

Das várias teses da madrugada, uma permeia insistentemente minha mente - meu tempo não é o mesmo deles. Viajei na velocidade da luz por um universo de desvarios, histórias e fantasias, almejando alcançar as estrelas. Idealizei pessoas, situações e uma vida inteira, e, quando voltei, anos passaram-se e meu mundo mudou porque eu envelheci justamente para os que ficaram, porém meu olhar voltou-se para eles cheio de esperança de encontrar a maturidade que desejei.

No final, a conclusão pode ter várias faces, mas a mesma essência: meu espírito e minha mente estavam ali desde meus não tão distantes dez e pouco. Eu apenas ganhei as experiências cunhadas nesta caminhada até aqui. Não se pode esperar que pessoas, mesmo sendo muito jovens, mudem sua personalidade com o tempo - ela é imutável.

Aqui, neste momento, e na nossa velocidade, tempo é implacável: não há relatividade e experiências que modifiquem  mentes vazias que não querem ser modificadas.

Algo é certo, o tempo vai passar, seja ele na relatividade ou não. E quando a velhice chegar para aqueles que não sabem respeitá-la e admirá-la, o destino não passará de um buraco negro - imperdoável.

E Time tocou.



Caro (a) leitor (a), você poderá se interessar, também, pelas postagens da mesma linha:

Dark Side Of Moon - Morte - Ruslana Korshunova

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Dente-de-Leão


Canções gentis, brisas suaves
Têm gosto de anis e canela
E das janelas folheadas em dourado
Notas amadeiradas divagam


Poetas e prosas flutuam
São mares de rosas azuis
Contos da tarde serena
Cafés que ardem com menta

Criança arredia é essa vida!
Que vaga perdida pelas estradas
A transformar maçã em pera
Pelo simples capricho proporcionado

E meu céu tem mais uma estrela
Pintada de maneira arteira
E foi, assim, de repente
Que tudo ficou reluzente!


por T.S. Frank