sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Feliz 2012... De praxe...

É mais um ano que se vai. Conclusão imediata - Estou ficando velha (experimente estar numa turma de faculdade onde a maioria nasceu muito depois da queda do Muro de Berlin - I hate 90’s!).

Estou igual ao poema da Cecília Meirelles...

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração

que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida a minha face?


Tudo bem... Ainda falta uma quantidade razoável para o ‘de repente trinta’. Contudo já estou em crise.

(Santo Antonio não foi legal esse ano - neeeeeeem um pouco!)

Os problemas não irão acabar de um dia para o outro - nem o Jack Bauer, Super Homem, Obama e a Fada Madrinha dariam jeito em tantos (quem sabe aguarrás).

Então, 2012 não será um recomeço - e sim apenas mais um prazo para dar cabo de todas as merdas, cafajestes e mal feitos do ano anterior.

E só.

Feliz ano novo.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Happy Birthday, dear Little Jesus

Senhor Jesus,

É mais um ano... Sei que já são muitos, nem dá para contar nos dedinhos.

Eu sei que o Senhor fica muito triste pelos the mamas & the papas que ensinam que o Sr. Noel é mais importante. Só que como Vosmecê e sábio por demais, nem se preocupa tanto.

E, querido Je, as coisas não estão fáceis. E o mundo esta pior que Sodoma e Gomorra.

Ano passado eu disse que não gostava de Natal... Eu sei... Eu sei... Contudo é mais uma questão interior, cê sabe... E o Freud e o Jung...

Eu também não fui uma boa garota. Na verdade, em algumas situações, eu me comportei como aquele João Bobo que os guris traquinos chutam – maleável, idiota e chorona. Meu subconsciente xingou muitas pessoas, desejou que seus cabelos caíssem e espinhas nascessem em suas faces.

Não cumpri aquela primeira promessa, lembra? Só que eu andei conversando com umas amigas e elas escreveram-me no VEAA - Viciados em Alguém Anônimos - e já estou limpa há quase um mês. Estou tentando, viu, Jesuzinho...

Perdão, perdão, perdão.

Peço desculpas pelas coisas ruins que falei para algumas pessoas e desculpo aquelas que me falaram também.

Quero agradecer pela família (apesar da fragmentação), pela comida, pela casa (apesar de...), os amigos da faculdade, pela Física e pela Astronomia, o livro na Pior em Paris e Londres do George Orwell, os Beatles, o Queen, Dire Straits, Pink Floyd, New Order, Pet Shop Boys, Faith No More, Nat King Cole, Luar Na Lubre, John Denver, Creedence, The Mentalist, Fringe e o Sherlock BBC.

Obrigada por ter me dado aquela cola adesiva e por ter amenizado as minhas dores na coluna através da fisioterapia (infelizmente, elas voltaram mais fortes essa semana... Mas eu acho que pode ser TPM... Vai passar!).

Espero que o Senhor tenha um lindo niver, cheio de nuvens, docinhos, anjos, flautas e pessoas rezando por um mundo melhor.

Felicidades!

T.S. Frank

P.S.: dê aquele recado meu para Santo Antônio, eu não estou entendendo os sinais dele...

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Ensinar - um ato de amor!


"A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda."

"Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes."
mm
"A humildade exprime, uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém."

(frases de Paulo Freire)

Não sei se conseguirei expressar toda minha indignação, raiva e um certo asco pelo ensino que me foi apresentado esse ano – professores sem motivação, cansados, sarcásticos, opressores e sem o menor respeito para com o aluno (ressalva - no meio dessa cesta podre, há algumas e poucas maçãs viçosas e brilhantes.).

A vida de um professor não é fácil, tampouco glamourosa e, por vezes, muito depressiva, visto que o Brasil prioriza quantidade e não qualidade - mais números mentirosos no balanço do MEC e menos no salário dos educadores. Só que as verdades são colocadas diariamente em nossa face - todos os aspirantes a mestre sabem disso - e cabem aos mesmos fazer a diferença ou compor a turma dos anti-heróis- é pura questão de humanidade e responsabilidade.

Conversando com uma amiga do curso de Física, chegamos a conclusão de que nossa geração sofrerá com métodos arcaicos de ensino, com a seleção darwiniana imposta aos discentes do Centro de Ciências Exatas e com o desprezo que a classe docente tem pela Pedagogia e a Metodologia da Educação (frase de efeito I – todos os pedagogos devem ser extintos – sim, isso mesmo que você acabou de ler.).

Também concluímos que os cursos das áreas exatas (leia-se alunos e professores) padecem do que Alfred Adler chamou de Complexo de Superioridade – suas deficiências são projetadas, por exemplo, nos cursos de Ciências Humanas e Socias – todas as GIAS não prestam! (frase de efeito II – cursos meia-boca - frase de efeito III - isso aqui não é FILOSOFIA!).

Com essa linha de pensamento, as licenciaturas das exatas são apenas fábricas de 'papagaios-calculadoras'. Que professores esperar desse efeito dominó? Com certeza nenhum seguidor dos métodos de Leithold, James Escarlante e Feynman.

O ensino baseia-se no amor – um amor incondicional pela esperança e pela vontade de mudar a realidade. E enquanto as universidades e, em especial, os cursos de exatas basearem a educação ofertada em métodos medievais, relegando as bases da educação ao patamar de ‘besteira’, continuaremos na lama, na mais profunda escuridão e com os sonhos em frangalhos.

Postagem dedicada:

a Shuanne, Delvair, Risele, Rivangelio, Yulli (mesmo sendo bacharelanda) e Adriano – amigos que, futuramente, usarão o ‘ensino do amor’ para mudar a situação devastadora no atual CCET da Universidade Federal do Maranhão.

ao Professor Marcio Sá - educador nato!

a minha querida mamãe - educadora exemplar.

a minha prima Lidiane e Noelza - pedagogas do amor.

a minha prima Geana - 'la maestra' em todos os sentidos.

... E a todos que sabem que a educação é muito mais que status - é um projeto de vida!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Sherlock BBC volta em 1º de janeiro de 2012 - ALEGRAI-VOS!

Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeba! (T.S. Frank gritando!)

Que notícia tão boa essa que li no site do querido parceiro SNAIL TRAIL:

"A BBC declarou oficialmente que o primeiro episódio da segunda temporada da série “Sherlock”, “A Scandal in Belgravia” estreará, na BBC One, no domingo, dia 1º de Janeiro de 2012, às 20:10h! (O que nos indica que os próximos 2 episódios, em princípio, se seguirão no mesmo dia da semana, nas 2 semanas seguintes!)" (retirado de SNAIL TRAIL - Data de estreia da segunda temporada de Sherlock finalmente revelada!)


E o ano já vai começar super bem! Poxa vida! Contagem regressiva para SHERLOCK BBC - segunda temporada!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Recomendação musical especial - Luar Na Lubre



É com muito prazer que trago a vocês, queridos (as) leitores (as), um dos meus grupos musicais favoritos – Luar Na Lubre.

Luar Na Lubre é um grupo de folk galego, criado em Corunha (Coruña) em 1986. O nome vem do galego Luar - resplendor da lua – e Lubre – espécie de bosque sagrado para os celtas, onde seus rituais aconteciam.

(Entre linhas – folk galego é um gênero musical tradicional de uma das regiões da Espanha conhecida como Galiza (ou Galícia em espanhol). Pela Constituição Espanhola, ela é uma comunidade autônoma, ou seja, entidade territorial dotada de autonomia legislativa e competências executivas. Corunha é justamente a capital da Galiza e nela fica Santiago de Compostela (quem é leitor de Paulo Coelho e debruçou-se sobre O Diário de um Mago tem uma ideia geral) – lugar de peregrinação e atmosfera mística, onde acredita-se que os restos mortais do apóstolo Santiago foram levados. Possui uma das mais belas catedrais barrocas do mundo. Por lá, falam o galego – mais parecido com o português do que o próprio espanhol de hoje – que pode ser considerado uma evolução do galego-português - falado em Portugal e na Galiza na Idade Média, que originou o português de Portugal e o galego de hoje)

O Luar Na Lubre também tem raízes célticas, afinal, a Galiza, na Idade do Ferro, foi povoada pelos celtas.

É considerado o maior grupo de música folk galega (ou música celta da Galiza) e um dos grandes representantes do gênero celta. O grupo é dono de inúmeros prêmios, ótimas críticas e fama mundial.

Em 1992, Mike Oldfield – compositor e músico inglês, com influências que vão do rock a música étnica (ouça Tubular Bells/1973) – 'globalizou' o octeto quando fez sua própria versão de O Son do Ar (do álbum de 1988 do Luar Na Lubre – O Son do Ar). O rearranjo feito por Oldfield saiu no álbum de 1997 – Plenilunio – e foi disco de ouro.

Luar Na Lubre é espiritual, cultural, brisa suave, aconchego e harmonia. E, sem nenhuma parcialidade, digo a vocês, uma vez experimentado, é como alcançar o sétimo céu, ou melhor, a sensação de terminar, como muitos relatam – o caminho de Compostela.

Membros & Instrumentos (Atualizados - 2017)

Antía Ameixeiras

Belém Tajes  voz;
Xan Cerqueiro – flautas;
Xulio Varela – bouzouki (tradicional grego), trompa, tarrañola (tradicional galego) e pandeireta (tradicional espanhol – semelhante ao nosso pandeiro, só que menor);
Belém Tajes
Patxi Bermúdez – bodhran (tradicional irlandês – semelhante ao tamborim), tambor e djembê (tradicional africano);
Antía Ameixeiras – violino;
Bieito Romero – gaitas, concertina (acordeão diatônico) e sanfona;
Pedro Valero – guitarra acústica, elétrica e espanhola, bouzouki (tradicional grego) e baixo pedal (linha de baixo que permanece numa nota durante uma mudança harmônica);
Xavier Ferreiro – percussão latina e efeitos.

Membros anteriores

Ana Espinosa – voz (1986-1996)
Rosa Cedrón – voz e violão celo (1996 – 2005)
Sara Louraço – voz (2005 – 2011)
Eduardo Coma – violino (1998-2016)
Paula Rey – voz (2012-2017)

Discografia (Atualizada - 2017)

O Son do Ar (voz: Ana Espinosa) – 1988
Beira Atlántica (voz: Ana Espinosa) – 1990
Ara Solis (voz: Ana Espinosa) – 1993
Plenilunio (voz: Rosa Cedrón) – 1997 (disco de ouro)
Cabo do Mundo (voz: Rosa Cedrón) – 1999 (disco de ouro)
XV Aniversario (voz: Rosa Cedrón + convidados) – 2001
Espiral (voz: Rosa Cedrón) – 2002
Hai un Paraíso (voz: Rosa Cedrón) – 2004
Saudade (voz: Sara Louraço) – 2005
Camiños da Fin da Terra (voz: Sara Louraço) – 2007
Ao Vivo (voz: Sara Louraço + convidados) – 2009 (2CDs + DVD)
Solsticio (voz: Sara Louraço) – 2010
Mar Maior (voz: Paula Rey) – 2012
Sons da Lubre nas Noites de Luar (misto: todas as vocalistas anteriores + convidados) – 2012 (3CDs + DVD)
Torre de Breoghán  A Luz dos Milésians – com a Orquestra Sinfónica de Galicia (voz: Paula Rey) – 2014 (2CDs + DVD)
Extra:Mundi – (voz: Paula Rey) – 2015
XXX Aniversario – Selección Especial de Temas – (misto: todas as vocalistas anteriores + convidados e novos arranjos para algumas músicas anteriores) – 2016 (2CDs)

Longa metragem

Un Bosque de Musica – 2004 – dirigido por Ignacio Vilar

Lista por T.S. Frank

Separei 10 músicas para você conhecer melhor o trabalho deste fantástico grupo.

1. O Son do Ar (vídeo aqui)
2. Roi Xordo (vídeo aqui)
3. Romeiro ao Lonxe (Sara Louraço & Diana Navarro) (Scarborough Fair) (vídeo aqui)
4. Galaecia (vídeo aqui)
5. Chove en Santiago (Rosa Cedrón) (vídeo aqui)
6. Costa da Morte (vídeo aqui)
7. Cantigas de Alfonso X (Rosa Cedrón no Celo) (vídeo aqui)
8. Canto de Andar (Sara Louraço) (vídeo aqui)
9. A Carolina (Schiarazulla Marazulla) (Paula Rey) (vídeo aqui)
10. Memoria da Noite (Rosa Cedrón) (vídeo aqui)

Adicionais (2014)

11. Sereas  (vídeo aqui)
12. Son das Augas (Sara Louraço no teclado) (vídeo aqui)
13. Cantiga do Neno da Tenda (Sara Louraço) (vídeo aqui)
14. Vía Láctea (vídeo aqui)
15. Santa María Loei (Paula Rey) (vídeo aqui)
16. Les Set Gotxs (Paula Rey) (vídeo aqui)

Adicionais (2015)

16. La Molinera (Paula Rey)



Adicionais (2016)

17. Dun Tempo Para Sempre - Nuevo Arreglo (part. Irene Cerqueiro)



Fontes:

Luar Na Lubre - Wikipédia Galega 
Luar Na Lubre - Wikipédia Espanhola
Site oficial do Luar Na Lubre

Conhecer mais do Luar Na Lubre e da Cultura Galega?

Facebook Luar Na Lubre
Canal Youtube Luar Na Lubre
Rádio Galega - Direto de Santiago de Compostela 

domingo, 4 de dezembro de 2011

Tracklist da semana - Hoje é dia de OLDIES, bebê!

E lá vamos nós (plagiando descaradamente o Pica-Pau...)! Mais uma categoria cafeinada - cool, dance & relax.

Separe uma coca beeeeeeem gelada, umas guloseimas e back to basics!


1 - Peggy Sue - Buddy Holly (vídeo aqui)
2 - Surfin' Safari - The Beach Boys (vídeo aqui)
3 - La Bamba - Ritchie Valens (vídeo aqui)
4 - Johnny B. Goode - Chuck Berry (vídeo aqui)
5 - Rock Around the Clock - Bill Haley & His Comets (vídeo aqui)
6 - Rubber Ball - Bobby Vee (vídeo aqui)
7 - Return to Sender - Elvis Presley (vídeo aqui)
8 - Do You Wanna Dance? - Johnny Rivers (vídeo aqui)
9 - Blue Moon - The Marcels (vídeo aqui)
10 - Sh-Boom - The Chords (vídeo aqui) (vídeo aqui)


Informações:

1. Peggy Sue – Escrita por Buddy Holly, Jerry Alisson, Norman Petty. Foi gravada por Buddy Holly em 1957. É a #194 na lista da Rolling Stones As 500 Maiores Canções de Todos os Tempos.

2. Surfin’ Safari – Escrita por Brian Wilson para os Beach Boys. Gravada pelos Beach Boys em 1963. Foi a #3 na U.S. Billboard Hot 100 em 1963.

3. La Bamba – É, originalmente, uma canção folk mexicana. Foi adaptada por Ritchie Valens em 1958 e gravada por ele em 1958. É a #345 na lista da Rolling Stones As 500 Maiores Canções de Todos os tempos.

4. Johnny B. Goode – Escrita por Chuck Berry e gravada por ele em 1958. Pela Q Magazine, é a #42 na lista As 100 maiores Guitar Tracks; pela Rolling Stones, é a #1 na lista As 100 Maiores Canções de Guitarra de Todos os Tempos; pela Guitar World, é a #12 na lista Os 100 Maiores Solos de Guitarra de Todos os Tempos.

5. Rock Around the Clock – Escrita por Max C. Freedman e James E. Myers. Foi gravada por Billy Halley & His Comets em 1954. É a #158 na lista da Rolling Stones As 500 Maiores Canções de Todos os Tempos.

6. Rubber Ball – Escrita por Orlowski e Aaron Schroeder. Gravada entre 1960 e 1961 por Bobby Vee. Foi a #6 na Billboard Chats em 1961.

7. Return to Sender - Escrito por Winfield Scott e Otis Blackwell. Gravada por Elvis Presley em 1962. É parte da trilha sonora do filme Girls! Girls! Girls!. Foi #1 nos charts ingleses e #2 na American Billboard Singles Charts.

8. Do You Wanna Dance? - Escrita por Bobby Freeman em 1965. Já foi gravada até pelos Beach Boys. Mas para nós, brazucas, a eterna mesmo é a versão do Johnny Rivers para o álbum Changes de 1966.

9. Blue Moon - Escrita por Richard Rodgers e Lorenz Hart em 1934. Foi gravada até pelo Elvis. Só que ficou conhecida com o grupo de Doo-Wop The Marcels, em 1961.

10. Sh-Boom – Escrita por James Keyes, Claude Feaster & Carl Feaster, Floyd F. McRae e James Edwards em 1954. Gravada pelos The Chords (e também pelo The Crew-Cuts) em 1954. É a #215 na lista da Rolling Stones As 500 Maiores Canções de Todos os Tempos.


Fonte:

Wikipédia em inglês sobre cada música.


Quer saber mais de Oldies aqui no CQ&Sherlock? Então leia:

Recomendação Musical - The Ventures
Glenn Miller
Devil or Angel?
Tracklist da semana - Via Spotify - Hoje é dia de OLDIES, bebê! Part. II





sábado, 3 de dezembro de 2011

Tempo perdido...

Preocupou-me o fato de olhar para um chocolate e não ter a mínima vontade de comê-lo. Não consegui mover sequer o ‘baby finger’, hoje, pela manhã.

Inerte, na cama, desejei apenas acordar em outra realidade – sem identidade, sem passado... Pronta para recomeçar.

Depois de algumas décadas, acumulei muitas lembranças destrutivas – acontecimentos infantis que serão carregados como uma ancora.

Uma vez falei sobre bullying, porém essa postagem se foi. Não vou estender-me. É apenas para constatar que não importa – quando alguém sofreu esse tipo de violência por anos (numa época em que isso era apenas perseguição boba de criança), os sofrimentos da vida adulta – dificuldades, busca por sonhos, desesperança – puxarão as marcas do passado.

Outro dia, consegui, finalmente, falar sobre o assunto de um modo aberto – sem pudores ou vergonha. Ela, muito cordial e simpática, compreendeu muito do que eu disse. E, sinceramente, não há nada mais reconfortante do que desabafar sobre algo que machucou tanto e não receber aquela expressão facial: ‘mas do que diabos cê está falando?’

Só que neste momento da minha vida – tão delicado, incerto, frágil... – conversar não é suficiente. E as soluções são a longo prazo... E o cotidiano é pesado e assustador.

Massacra-me imaginar como seria a minha vida se tudo isso não tivesse acontecido, ou pensar se, no decorrer da infância, eu tivesse tido outras oportunidades – cidades grandes, escolas maiores, vizinhos legais, cerquinhas brancas, tulipas no jardim...

Eu sei que estou presa, presa a mim mesma... Intoxicada.

Gostaria de estar no litoral, sentada na areia e esquecer... Longe desse lugar, longe dessas pessoas... Longe do submundo... Longe do peso da minha própria alma.

E essas lembranças vieram à tona por causa de um certo alguém... Cujo a vida desejei – perfeitinha, redondinha, feliz... E, mais uma vez, acreditei em suas palavras... E foi como esperar um navio que nunca chegaria.

Preciso perdoá-lo... Apesar de tudo... Libertar-me...

Todavia, enquanto as sombras ainda recobrem, as nuvens prenunciam ainda mais chuva.

Deixo para vocês, queridos (as) leitores (as), uma das músicas que mais gosto de um grupo que eu amo - New Order - Regret - e diz muito sobre esse dia...

"Eu gostaria de um lugar que eu pudesse chamar de meu...
Ter uma conversa no telefone...
Acordar diariamente já seria um começo
Eu não reclamaria do meu coração ferido..." (Trecho de Regret, New Order, 1993)
jj