quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Ensinar - um ato de amor!


"A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda."

"Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes."
mm
"A humildade exprime, uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém."

(frases de Paulo Freire)

Não sei se conseguirei expressar toda minha indignação, raiva e um certo asco pelo ensino que me foi apresentado esse ano – professores sem motivação, cansados, sarcásticos, opressores e sem o menor respeito para com o aluno (ressalva - no meio dessa cesta podre, há algumas e poucas maçãs viçosas e brilhantes.).

A vida de um professor não é fácil, tampouco glamourosa e, por vezes, muito depressiva, visto que o Brasil prioriza quantidade e não qualidade - mais números mentirosos no balanço do MEC e menos no salário dos educadores. Só que as verdades são colocadas diariamente em nossa face - todos os aspirantes a mestre sabem disso - e cabem aos mesmos fazer a diferença ou compor a turma dos anti-heróis- é pura questão de humanidade e responsabilidade.

Conversando com uma amiga do curso de Física, chegamos a conclusão de que nossa geração sofrerá com métodos arcaicos de ensino, com a seleção darwiniana imposta aos discentes do Centro de Ciências Exatas e com o desprezo que a classe docente tem pela Pedagogia e a Metodologia da Educação (frase de efeito I – todos os pedagogos devem ser extintos – sim, isso mesmo que você acabou de ler.).

Também concluímos que os cursos das áreas exatas (leia-se alunos e professores) padecem do que Alfred Adler chamou de Complexo de Superioridade – suas deficiências são projetadas, por exemplo, nos cursos de Ciências Humanas e Socias – todas as GIAS não prestam! (frase de efeito II – cursos meia-boca - frase de efeito III - isso aqui não é FILOSOFIA!).

Com essa linha de pensamento, as licenciaturas das exatas são apenas fábricas de 'papagaios-calculadoras'. Que professores esperar desse efeito dominó? Com certeza nenhum seguidor dos métodos de Leithold, James Escarlante e Feynman.

O ensino baseia-se no amor – um amor incondicional pela esperança e pela vontade de mudar a realidade. E enquanto as universidades e, em especial, os cursos de exatas basearem a educação ofertada em métodos medievais, relegando as bases da educação ao patamar de ‘besteira’, continuaremos na lama, na mais profunda escuridão e com os sonhos em frangalhos.

Postagem dedicada:

a Shuanne, Delvair, Risele, Rivangelio, Yulli (mesmo sendo bacharelanda) e Adriano – amigos que, futuramente, usarão o ‘ensino do amor’ para mudar a situação devastadora no atual CCET da Universidade Federal do Maranhão.

ao Professor Marcio Sá - educador nato!

a minha querida mamãe - educadora exemplar.

a minha prima Lidiane e Noelza - pedagogas do amor.

a minha prima Geana - 'la maestra' em todos os sentidos.

... E a todos que sabem que a educação é muito mais que status - é um projeto de vida!

7 comentários:

  1. Ticy, minha "miga"!

    O que posso te dizer é relativo a minha experiência, quando do curso de Arquitetura na Federal aqui do RS, curso que alia cadeiras de filosofia e artes; as de matemática e engenharia. (!!!)

    Posso te dizer que tudo o que falaste aqui, foi o que aconteceu comigo nas cadeiras (quase em todas), justamente da área de exatas, cálculo, geometria, enfim...; em detrimento a de humanas, onde na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), não me decepcionei.

    Fiz também o curso de Artes Plásticas lá, e a mesma coisa, um tanto de ensinar os alunos a pensarem, gratificou-me por certo.

    Já o curso de Publicidade da PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do RS), apesar da área de humanas, tive certa decepção.
    Alguns poucos professores, os dos níveis básicos, excelentes, conforme o curso avançava, onde os professores também eram profissionais de comunicação e não mais apenas comunicólogos, a coisa surpreendentemente piorou, me deu a impressão de algo tipo, medo de possível concorrência com os futuros profissionais da área, e nunca consegui mudar esse pensamento em mim.

    Beijinhos e te cuida :)

    ResponderExcluir
  2. Já ia me esquecendo...

    também gosto de ti prá caramba, minha amiga!
    De coração, você sabe disso!

    Um Feliz Natal, "up", por favor! Você merece :)

    ResponderExcluir
  3. Educação é um bicho complexo em noso país,mas não deveria ser, e no caso específico das ciencias exatas,talvez seja por causa desse seu relato, que desde pequeno aprndemos q matemática,física e química é ruim, é difícil etc. e tal. já dei aulas de química, e é incrível como os alunos tinham pavor só de ouvir o nome da disciplina. percebi q toda a carga histórica negativa q essas matérias carregam, prejudicavam o entendimento da matéria, pois os alunos já entram achando que nao vão "entender nada",que vão tirar zero e por aí vai. enfim,a luta por uma boa educação continua,pois ela é fundamental.
    valeu!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Acho que depois desse tempo conversando contigo, peguei um pouco da "astronomia de ser" de T.S. Frank!!

    Tenho acompanhado váriossss programas de astronomia em canais fechados. Putz, altas teorias, diversos caminhos a serem seguidos,etc.

    Estou dizendo isso pq o teu post é bem revelador. A física e muito ampla, a teoria de diversos pensadores, muitos debates, diversos estudiosos e alguns que dizem até que num futuro muito próximo a teoria do einsten pode ser quebrada etc.

    Além de motivação, falta o querer da informação para os professores brasileiros. Há alguns excelentes, acima da média, mas a grande maioria são antiquados e lacaico. Isso em todos os cursos.

    Muito bom esse seu desabafo, resumiu toda a hipocrisia educacional em que vivemos.

    Também te desejo um 2012 repleto de descobertas e felicidades.

    Ótimo Natal!

    Beijão.

    ----
    “The Tramp Mind”
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Frankynha minha amiga, tudo bem?

    Eu spu formado em História (licenciatura plena) e Geografia (licenciatura curta), a alguns anos atrás eu trabalhava onde trabalho hoje durante o dia e dava aulas à noite em substituição a qual professor da minha àrea que faltava. Acontece que aqui no estado de São Paulo existe uma droga que se chama PROGRESSÃO CONTINUADA que acabou com o ensino paulista, acabou com o respeito que os alunos tinha pelo professor e acabou com a motivação dos professores de fazer um bom trabalho, afinal o aluno aprendendo ou não sempre passará de ano no final. Se um professor achar que um aluno não pode passar de sére esse professor tem sérios problemas e tem que PROVAR que o aluno não tem condições.
    Moral da estória: Eu desisti de ser professor, porque um professor substituto aqui nesse estado não passa de um palhaço nas mãos desses alunos.

    Entendo todo seu sentimento e sei que realmente muitos professores estão desmotivados e fazendo trabalhos ruins, mas o pior mesmo é quando o cara quer fazer um bom trabalho e o sistema luta contra!

    Um abração minha amiga! Tenha um lindo natal com muuuuito amor e com Deus muito presente entre a sua familia!

    ResponderExcluir
  7. ...traigo
    sangre
    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    COMPARTIENDO ILUSION
    TS FRANK

    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...




    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE FLOR DE PASCUA ENEMIGOS PUBLICOS HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA, TOQUE DE CANELA ,STAR WARS,

    José
    Ramón...

    ResponderExcluir

Querido (a) leitor (a), obrigada por ler e comentar no Café Quente & Sherlock! Espero que tenha sido uma leitura prazerosa. Até a próxima postagem!